Pedro Martins | alaúde, vihuela, tiorba e guitarra barroca

 

Nascido no ano de 1979, iniciou os seus estudos musicais no Orfeão de Ovar e na Academia de Artes Maria Amélia Dias Simões, com a professora Edwiges Pacheco. Mais tarde estudou guitarra clássica nos conservatórios de Aveiro e Porto, com os professores Miguel Lélis e Mário Carreira. Em 2018 concluiu a Licenciatura em Música Antiga na ESMAE na classe de alaúde com os professores Hugo Sanches e Ronaldo Lopes. Estudou em masterclasses com Eduardo Eguez,  Vinícius Perez e Rafael Munõz. E participou em diversos cursos de música antiga, nomeadamente: Curso Internacional de Música Antiga organizado pela ESMAE, Cursos Internacionais de Música Antiga organizado pela MAAC e nos Encontros Internacionais de Música da Casa de Mateus. Atualmente, frequenta o Mestrado de Ensino de Música – variante instrumento (alaúde). Tem sido docente em diversos níveis e estilos musicais, destacando-se a experiência como formador no 2º e 3º Ciclo de Música Antiga do Conservatório de Música da JOBRA. Desde 2020 é professor de alaúde da Escola de Música da Paróquia de Bonfim.

Como responsável de direção musical, ensaia, faz arranjos e compõe para a Trupe de Reis Associação Desportiva Ovarense desde 2010. Tem sido instrumentista convidado junto de diversos agrupamentos e projetos, de entre os quais se destacam o Coro de Câmara de São João da Madeira, o Coro Misto da Beira Interior, Gaudium Vocis, Il Dolcimelo, Iberian Ensemble, Ventos do Atlântico, o Festival da ESMAE, a Rota das Catedrais, o Ciclo de Música Sons Antigos a Sul e o Festival In Spiritum. Tem também tocado em várias recriações históricas (Santa Maria da Feira, Arouca, Figueira de Castelo Rodrigo e Almeida).

Colabora com a Orquestra de Bandolins de Esmoriz (desde 2005), Orquestra Portuguesa de Guitarras e Bandolins (desde 2014) e os grupos Sesquialtera e Orquestra Barroca do Curso de Música Antiga da ESMAE (desde 2014). Com António Vieira fundou, em 2017, Liuto Cantabile, agrupamento de câmara dedicado ao repertório histórico para bandolim. Fundou em 2018 o grupo Spirito dell’Anima dedicado à interpretação de música vocal e instrumental do século XVII. Desde 2018 tem colaborado com a Orquestra Barroca da Casa de Mateus (direção de Ricardo Bernardes), o grupo Mvsica Antiqua do Porto (direção de Rui Soares) e a Sinfonietta de Braga (direção de Paulo Morais).

Foi um dos membros fundadores do grupo Lvsitanea, em 2019, dedicado à interpretação de repertório dos séculos XVIII, XIX e XX, em particular a música de câmara portuguesa e brasileira, bem como música popular, tendo criado um programa sobre o centenário da Monarquia do Norte para o Município de Ovar. Faz parte dos grupos Cuore Armonico, La Voix de l’Âme desde 2019. Desde 2020 tem colaborado com a orquestra La Nave Va  (direção de António Carrilho).